Visitantes são barradas de entrar com entorpecentes em presídios da região

Agentes de segurança da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) impediram, no último final de semana, a entrada de visitantes de presos com droga escondida no corpo e nas vestes, em unidades prisionais da região. Em todos os casos, o plantão policial foi acionado para lavrar Boletim de Ocorrência (BO).

Penitenciária II “Luiz Gonzaga Vieira” de Pirajuí
Três casos ocorreram na Penitenciária II de Pirajuí. O primeiro ocorreu no sábado, 21, por volta das 11h20, quando uma mulher foi flagrada tentando entrar no presídio com dois pacotes de maconha presos na cintura. O entorpecente pesava aproximadamente 130 gramas. No domingo, 22, por volta das 8h da manhã, outra visitante tentou entrar na penitenciária com dois invólucros escondidos no bolso. Foi constatado que trata-se de 58 gramas de maconha.

Ainda no domingo, às 9h30, esposa de sentenciado escondia droga no top. O flagrante ocorreu por meio do scanner corporal, que detectou imagens desconhecidas na região do tórax da mulher.
Quando questionada, ela acabou confessando que carregava cocaína (aproximadamente 172 gramas) e maconha (aproximadamente 207 gramas) na vestimenta.

Centro de Ressocialização de Ourinhos
Flagrante ocorreu no domingo (22), por volta das 9h30 da manhã, quando agentes de segurança notaram comportamento suspeito de uma visitante de preso. As funcionárias questionaram a mulher, que acabou confessando que estava levando droga para seu marido, preso no Centro de Ressocialização (CR). A visitante retirou um pacote do sutiã contendo maconha.

Penitenciária de Bernardino de Campos
Também no domingo, às 9h, na Penitenciária de Bernardino de Campos, uma mulher foi surpreendida pelo scanner corporal escondendo droga na barra da calça. O invólucro continha aproximadamente 5,4 gramas de maconha e 19,1 gramas de cocaína e seria destinado ao esposo da visitante.

Penitenciária de Taquarituba
Ainda no domingo, na Penitenciária de Taquarituba, uma mulher de 24 anos foi flagrada tentando entrar na unidade prisional com droga escondida na calcinha. Ela foi surpreendida pelo aparelho de scanner, que detectou objeto desconhecido nas vestes da visitante. O entorpecente estava escondido no cós da calcinha. Tratava-se de aproximadamente 114 gramas de maconha.

Penitenciária “Valentim Alves da Silva” de Álvaro de Carvalho
O scanner corporal da Penitenciária de Álvaro de Carvalho detectou uma imagem não identificada na região pélvica de uma mulher, esposa de preso. Ela foi encaminhada pelas agentes de segurança até uma sala reservada e acabou retirando voluntariamente da vagina um pacote envolto em fita adesiva contendo maconha.
O flagrante ocorreu no domingo.

Penitenciária II de Serra Azul
Agentes de Segurança da Penitenciária II de Serra Azul encontraram maconha nos pertences de uma visitante. A droga estava misturada junto ao sabão em pó, dentro de um pacote, e seria entregue ao sentenciado.
O caso ocorreu no domingo, por volta das 9h05.

Penitenciária I “Ten. PM José Alfredo Cintra Borin” de Reginópolis
Outro caso envolvendo droga na calcinha aconteceu na Penitenciária I de Reginópolis. Uma mulher foi flagrada pelo aparelho de body scanner tentando entrar no presídio com aproximadamente 7 gramas de cocaína escondidas na calcinha.
Flagrante ocorreu no sábado (21).

Foi instaurado Procedimento Disciplinar para apurar a cumplicidade dos presos que receberiam os entorpecentes.
A SAP informa que pessoas flagradas tentando adentrar com objetos ilícitos em unidades prisionais são automaticamente suspensas do rol de visitas.